RCL 34-35 _ Espaços

Representar os novos lugares

Nos últimos anos, com a emergência mundial das nets e das webs, vários padrões da economia material/tradicional foram alterados, e observam agora um processo de desenvolvimento e estabilização. Interessam-nos aqui alguns elementos que suportam e dão corpo àquilo que veio mais recentemente a chamar-se uma «economia da atenção». Apesar de inaugurada industrialmente pelos media de massa, talvez já desde os anos 60, o processo em que se constituíu esta «economia da atenção» reside basicamente nos seguintes factos:

  1. Enquanto no mercado tradicional é o perfil de necessidades que orienta o consumidor — ele procura aquilo de que necessita — então o sucesso do produto ou do negócio é aferido pela adequação e concretização (em quantidade ou qualidade) de necessidades que satisfaz.
  2. Hoje, numa sociedade de oferta em excesso, e na qual a maior parte das necessidades básicas, e não só, estão satisfeitas, outro factor se assumiu como motor desta nova economia: a atenção — a quantidade e qualidade das atenções recolhidas por um determinado produto — é o que o coloca no ranking de valor no mercado da nova economia, porque é a quantidade e qualidade de atenção que a audiência disponibiliza que se constitui como bem mais raro e apreciado.

Navegação

Contacte-nos

icon-addressRevista de Comunicação e Linguagens
Centro de Estudos de Comunicação e Linguagens
Av. de Berna, 26-C, 5.º andar, sala 506
1069-061 Lisboa PORTUGAL

icon-phone(+351) 21 795 08 91

icon-fax(+351) 21 795 08 91

icon-emailEste endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.