RCL 34-35 _ Espaços

Pensar o espaço

Ao substituirem um sistema simbólico de representações por um sistema matemático e, em última instância, geométrico, foram os gregos da Antiguidade quem cunhou a ideia de espaço, uma das categorias com maior relevância no pensamento ocidental. Nestes é possível já identificar um sistema orgânico de estruturação do espaço que conduzirá muito mais tarde, com Isaac Newton, à ideia de «espaço absoluto», que Lessing irá transpor para o campo estético como a diferença entre artes do espaço e artes do tempo.

Na nossa época, com a emergência das geometrias não euclidianas, da mecânica ondulatória e da teoria da relatividade e, no campo específico das artes, com a invenção do cinema, a separação entre as representações do espaço e do tempo não pôde deixar de colocar-se de forma cada vez mais intensa como algo de inadequado. Resulta daí a emancipação das representações ilusionistas, que dá lugar na arte à construção do espaço enquanto entidade sensível e intelectual completamente autónoma.

Navegação

Contacte-nos

icon-addressRevista de Comunicação e Linguagens
Centro de Estudos de Comunicação e Linguagens
Av. de Berna, 26-C, 5.º andar, sala 506
1069-061 Lisboa PORTUGAL

icon-phone(+351) 21 795 08 91

icon-fax(+351) 21 795 08 91

icon-emailEste endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.