Home Edições RCL 32 _ Ficções Ensaios A verdade da mentira: O museu como dispositivo ficcional na obra de Marcel Broodthaers

RCL 32 _ Ficções

A verdade da mentira: O museu como dispositivo ficcional na obra de Marcel Broodthaers

O esvaziamento das lógicas de ruptura e transgressão com que as vanguardas artísticas se tiveram que confrontar, em especial a partir da década de 60 do século XX, obrigou-as ao questionamento profundo dos mecanismos institucionais reguladores da norma e do desvio. É o caso das heterotopias museológicas que puderam ser interrogadas a partir das suas capacidades efabulatória e ficcional. É no centro mesmo deste debate que, em 1968, Marcel Broodthaers abre a Section XIXème Siècle do seu Musée d’Art Moderne, Departement des Aigles. A complexidade deste projecto, que irá durar com diversas configurações até 1972, abre uma discussão sobre a própria ontologia da arte num momento de aparente crise.

Neste artigo procurámos reflectir sobre a razão da escolha de um dispositivo ficcional para a construção da sucessão heterogénea de objectos e acontecimentos que constituem esse Musée d’Art Moderne, buscando assim na própria inquietação e no movimento imprevisível da narrativa ficcional as respostas para a compreensão dos lances de Marcel Broodthaers.

Navegação

Contacte-nos

icon-addressRevista de Comunicação e Linguagens
Centro de Estudos de Comunicação e Linguagens
Av. de Berna, 26-C, 5.º andar, sala 506
1069-061 Lisboa PORTUGAL

icon-phone(+351) 21 795 08 91

icon-fax(+351) 21 795 08 91

icon-emailEste endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.