Home Edições RCL 32 _ Ficções Ensaios A escrita como esconjuro e como degradação do tempo em El Principio del Placer de José Emilio Pacheco

RCL 32 _ Ficções

A escrita como esconjuro e como degradação do tempo em El Principio del Placer de José Emilio Pacheco

Um dos romances mais íntimos e aparentemente mais simples do narrador mexicano contemporâneo José Emilio Pacheco (que em 2003 ganhou o prestigiado prémio Octavio Paz), O Princípio do Prazer (1972), escrito dentro da convenção de um diário de vida adolescente, oferece um exemplo fascinante do modo como o autor, a partir de uma ficcionalidade ou retórica da escrita de condensada síntese poética, configura um mundo fictício subjectivizado com fortes traços histórico-sociais, característico da modernidade latino-americana. O sentimento ôntico de consciência desditosa e o sentimento epistemológico de cepticismo que caracteriza toda a obra de Pacheco têm neste romance por referente a obra canónica Para além do Princípio do Prazer, de Freud, a qual, da sua condição inicial de contratexto ironizado, se transforma em hipotexto que funda o relato.

Navegação

Contacte-nos

icon-addressRevista de Comunicação e Linguagens
Centro de Estudos de Comunicação e Linguagens
Av. de Berna, 26-C, 5.º andar, sala 506
1069-061 Lisboa PORTUGAL

icon-phone(+351) 21 795 08 91

icon-fax(+351) 21 795 08 91

icon-emailEste endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.