Home Edições RCL 32 _ Ficções Ensaios A auto-bio-grafia como máquina antropomórfica de escrita

RCL 32 _ Ficções

A auto-bio-grafia como máquina antropomórfica de escrita

Uma análise do termo permite perceber o carácter compósito da denominação literária — autobiografia — e entendê-la como máquina antropomórfica, salientando a existência de um dispositivo narrativo, isto é, todo um conjunto de procedimentos figurativos da ordem do imaginário, inserido no quadro de uma articulação narrativa, numa sintaxe da causalidade e das suas finalidades, e um dispositivo enunciativo configurador da subjectividade discursiva.
Mas a máquina antropomórfica, da ordem do logos, emerge de uma organização complexa do bios que, por sua vez, articula uma vida orgânica, a vida interior ou vegetativa, considerada a vida propriamente animal, com uma vida voltada para o exterior, em relação. Esse limiar entre o animal vegetativo e a ordem do humano é, porém, uma linha de clivagem que passa no interior do próprio homem e que recalcou o animal como resíduo.

Navegação

Contacte-nos

icon-addressRevista de Comunicação e Linguagens
Centro de Estudos de Comunicação e Linguagens
Av. de Berna, 26-C, 5.º andar, sala 506
1069-061 Lisboa PORTUGAL

icon-phone(+351) 21 795 08 91

icon-fax(+351) 21 795 08 91

icon-emailEste endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.